A guerra europeia dos títulos

20a.gif (48054 bytes)

Damos agora uma piscadela de olhos aos títulos belicosos produzidos pelo relato das eleições europeias de Junho de 1994. Como os cibernautas devem saber, todos os protagonistas a seguir referenciados chegaram vivos ao dia das eleições. Apesar de poder parecer milagre!

CONTRA A CAMPANHA DO INSULTO foi um dos títulos que referenciámos, inserto no jornal "Público". Pedido ou proclamação que caiu em saco roto, nomeadamente na fase final da campanha. Os títulos fizeram eco de algumas dessas trocas de "mimos", apesar do relatório completo dos "carinhos" com que alguns dos dirigentes políticos afagaram os seus adversários se encontrar no correr das notícias.

Uma campanha que um editorialista do "Diário de Notícias" considerou À BEIRA DE UM ATAQUE DE NERVOS, secundado por Vicente Jorge Silva, que no "Público" titulou o que considerava ser a GRITARIA NO DESERTO.

O tom bélico da campanha e dos seus aperitivos foi mais que evidente para quem acompanhou de perto o desenrolar das últimas europeias. E os títulos da imprensa fazem-se eco disso mesmo. Pelas bandas de Guterres, ficávamos a saber que PS TOCA A REUNIR, enquanto pelo PSD se cantava CONTRA PS E CDS, MARCHAR, MARCHAR. Em posição claramente belicista encontrávamos NUNES LIBERATO AO ATAQUE, e UM MAJOR AO ATAQUE. Também se titularam algumas JOELHADAS CENTRISTAS.

Alguns partidos utilizariam todos os trunfos ao seu alcance, e quem diz trunfos diz truques. Daí ficarmos a saber, por exemplo, que o PS ATACA RASTEIRO.

Se simulássemos um cenário de preparação de uma guerra, nada melhor que os títulos retratando mil e uma acusações e queixas preparando a opinião pública para o desembainhar das baionetas. O aviso já havia sido feito por um dos beligerantes: VAI VALER TUDO PARA INTIMIDAR OS PORTUGUESES.

Venham de lá então os títulos do "contra", do dedo em riste:

LUÍS SÁ ACUSA MONTEIRO: É FUNCIONÁRIO DA CIP;

CONTRA O PART-TIME DE MONTEIRO;

VITORINO CONTRA NACIONALISMOS DE CONVENIÊNCIA; ELES QUE SE PONHAM A PAU;

ANTÓNIO CAMPOS — PERSONAGEM RIDÍCULA;

ANTÓNIO CAMPOS — UM DOENTE MENTAL;

PS ACUSA CAVACO DE MENTIR;

SÁ DEVOLVE ACUSAÇÕES A CAVACO;

UDP DESAFIA CAVACO E EURICO;

UDP DIZ QUE CAVACO MENTE;

LABORINHO NA MIRA DO PS;

PCP ABRE GUERRA AO VINHO;

POLÍTICA XXI CONTRA ACORDO DE SCHENGEN;

MRPP CONTRA PAÍS A RETALHO;

CDS CONTRA UM "PAÍS DE PEDINTES";

CONTRA "OS EXCESSOS DA DIREITA RADICAL";

CANDIDATAS DA UDP CONTRA DISCRIMINAÇÃO;

PPM CONTRA A CONSTRUÇÃO EUROPEIA;

CONSTÂNCIO ACUSA MONTEIRO DE FAZER DEMAGOGIA;

LUÍS SÁ QUEIXA-SE DE MANUEL MONTEIRO;

GUTERRES DENUNCIA "OPORTUNISMO";

MARGINAIS, CAPITULACIONISTAS E PARASITAS.

Acusações que não ficavam sem resposta, com o ambiente ao rubro: EURICO PROMETE AQUECER ALGÉS, lia-se num dos jornais do período pré-hostilidades. LUÍS SÁ RESPONDE A MONTEIRO.

Num ou noutro caso, ressalvámos algumas negas: DESAFIO DO CDS RECUSADO PELO PS.

Como em tempo de guerra não se limpam armas, antes se escolhem bons aliados, lá teríamos CAVACO COM AZNAR, PS COM CHOMSKY, um partido não nomeado recorrendo a MY FRIEND BERLUSCONI; PSD RECORRE A CLINTON, CDS/PP ADMITE ALIAR-SE AO PPE. Lá teríamos também uma guerra na disputa pelas alianças: AZNAR QUER PSD NO PPE, o que contrariava desde logo as hipóteses aventadas no título anterior. No Partido Popular Europeu, as preferências pareciam ir inteirinhas para os laranjas, a crer no título PPE SEDUZ CAVACO. Já um dos "proscritos" nesta refrega, por frescas alianças feitas com os excomungados fascistas, recebia mesmo assim a solidariedade de um outro exército europeu organizado: PPI ABRE PORTAS A BERLUSCONI.

Os mais corajosos poderiam fazer peito e bater-se sózinhos contra a turba multa, como o líder do CDS, que chegou a proclamar NÃO PRECISO DE ESPANHÓIS AO MEU LADO. Outros aliados seriam recusados, como foi o caso de Rosado Fernandes, que anunciou alto e bom som: NÃO ENTRAVA NUMA LISTA COM LUCAS PIRES.

Antes ainda do conflito declarado, de registar algumas reivindicações grupais tendentes a integrar os vários regimentos, como estas de teor sexista, constatado que era o DÉFICE DE PODER NO FEMININO: UM LUGAR PARA AS MULHERES; O NOSSO REINO É DAS MULHERES; MULHERES NA COMISSÃO.

Uma das integradas haveria de ver aparecer em título o seu atestado de reconhecimento ao exército de soldados laranjas que a aceitou no seu seio: O PSD FOI CORAJOSO AO CONVIDAR-ME.

À hora de dar o primeiro tiro, há sempre quem pense duas vezes: CARVALHAS E SÁ NA DEFENSIVA, MONTEIRO COM PRUDÊNCIA, SOARES EVITA CONFRONTOS, SOARES FOGE A ENVOLVIMENTO ELEITORAL.

Outros, de tanto ponderarem, poderiam levar o seu exército à dizimação total, se os capitães não se revoltassem a tempo. O caso mais evidente foi o de Vítor Constâncio, cuja chamada à liça se revelou infrutífera, criando no entanto momentos de grande suspense no período de preparação da guerra. O EMPATA, como o epitetou João Carreira Bom no jornal "Expresso"; INCONSTÂNCIO, como lhe chamou Carneiro Jacinto no "Tal & Qual", foi notícia por diversas vezes: CONSTÂNCIO A PONDERAR, PS SUSPENSO DE CONSTÂNCIO, CONSTÂNCIO DIZ "NÃO" PELA SEGUNDA VEZ, GUTERRES LARGA CONSTÂNCIO E ESCOLHE VITORINO. O líder socialista respirava de alívio, podendo rir-se agora do título: GUTERRES — GENERAL SEM TROPAS.

Alguns políticos mais pacifistas tentariam a todo o transe fugir à peleja. O caso do candidato laranja, EURICO QUIS DESISTIR. Mas logo os vigilantes generais sinalizariam, peremptoriamente: CONTRA A MARCHA-ATRÁS.

21a.gif (20091 bytes)

Declaradas as hostilidades, lá teríamos então notícias da frente de combate: GUERRA DO VINHO PORTUGUÊS DÁ CONTAS DE SOBE E DESCE; VITORINO DOMINOU DUELO DA ESQUERDA; CAVACO CAPITÃO DO DIA D; NA RECTA DA VITÓRIA; ROCARD AO FUNDO; OS CERCOS AO ESCUDO.

Notícias de divergências, também, dentro dos mesmos exércitos: EURICO CONTRA DEUS PINHEIRO.

E as fatais notícias dos derrotistas: EURICO ANTECIPA CENÁRIO DE DERROTA.

Durante a refrega, també é natural verificarem-se alguns casos de indisciplina, como no partido de Manuel Monteiro: NO CDS NINGUÉM SEGUE O EXEMPLO DO LÍDER

Conseguido o cessar-fogo, os primeiros títulos seriam cautelosos: UMA VITÓRIA COM SUPORTE URBANO, VITÓRIA PARA TODOS, DO TRIUNFO À VITÓRIA.

Mas logo estalaria nova guerra quanto a saber-se quem efectivamente ganhou, bem espelhada nos títulos MRPP RECLAMA GRANDE VITÓRIA, CDS/PP VITORIOSO VIRADO PARA AS LEGISLATIVAS, PCP DESTACA A DERROTA DO PSD E DO GOVERNO, A DERROTA DE GUTERRES, GUTERRES PERDE DUELO DAS VIRTUDES, VITORINO GANHA À ESQUERDA; SIC DOIS A ZERO.

Ao mesmo tempo, íamos sabendo novas dos generais que mais galhardamente se bateram. E líamos O DIA SEGUINTE DO "GUERREIRO" EURICO, o que contrastava com título anterior: EURICO, O ANTILÍDER. O segredo deveria estar n'O SEGUNDO FÔLEGO DE EURICO

Depois de resolvida a batalha interna, haveria então que partir para uma cruzada a doze. Até porque as ameaças eram por demais visíveis: SUDESTE ASIÁTICO AMEAÇA EUROPA; DOZE CONTRA A DROGA; EUROPA CONTRA AMÉRICA PURITANA; EUA E EUROPA ENVOLVIDOS EM NOVA BATALHA POR CAUSA DO AUDIOVISUAL; MARCHAS EUROPEIAS; DOZE APOIAM INTERVENÇÃO NO RUANDA.

Mas atenção. A formação de uma unidade de elite do exército europeu não significava, só por si, que não persistissem escaramuças entre as chefias em Bruxelas e alguns dos contingentes-membros. E a inversa também é verdadeira, tal como o registo de pequenos focos de conflito entre algumas das unidades no terreno. Um soldado aprendiz de poliglota que se arriscasse a, em pleno cenário de guerra, pronunciar a frase que compunha um dos títulos respigados — EXCUSEZ-MOI, DID YOU SAY VERKLEINERUNG?—, por certo desencadearia uma pequena sublevação entre as hostes europeias.

Vejamos então:

CAVACO ESCREVE CARTA DURA A BALLADUR;

PORTUGAL ENTRA EM GUERRA COM A NORUEGA;

CONTRA-ATAQUE SEM ESPINHAS;

PESCAS - GUERRA COM ESPANHA?;

CERCO A GONZÁLEZ;

VINHO PORTUGUÊS DERROTADO EM ESPANHA;

GUERRA CONTRA A PARMALAT PASSA POR BRUXELAS;

A REVOLTA DO FRANCÊS;

FRANÇA — BENDITO PANCADA DA BOLA VOLTA A ATACAR; HELMUT KHOL, ZANGADO, FICA DE FORA;

GREGOS CONTRA PRESSÕES DA UE;

CONTRA A EUROPA "POLÍTICAMENTE CORRECTA;

ULTIMATO DA UE À GRÉCIA.

Nunca é demais repetir o que afirmámos de início. Apesar desta mão cheia de títulos apontar para o contrário, todos os protagonistas desta aventura eleitoral chegaram são e salvos ao fim do episódio.

bluebar.gif (1205 bytes)

aniplus.gif (116210 bytes)